Ação ocorre na manhã desta quinta-feira (5); há 62 mandados judiciais. Golpe era aplicado por meio de empresa com sede em Curitiba.

A Polícia Civil deflagrou uma operação, na manhã desta quinta-feira (5), contra uma quadrilha suspeita de aplicar golpe em seis estados. Em Curitiba e Região, nove pessoas foram presas, entre elas, um agente penitenciário.

Ao todo, são 11 mandados de prisão temporária.

De acordo com a Polícia Civil, os alvos da organização criminosa eram investidores de bitcoins. O prejuízo estimado passa de R$ 1,5 bilhão. O golpe era aplicado por meio de uma empresa com sede em Curitiba, segundo a Polícia Civil.

O grupo criminoso é investigado pelos crimes de estelionato, associação criminosa, lavagem de dinheiro e falsificação de documento particular.

62 ordens judiciais

Ao todo, são 62 ordens judiciais – além das prisões, há busca e apreensão, bloqueio de contas e sequestro de veículos.

Os mandados são cumpridos em Curitiba, Pinhais, Piraquara, Pontal do Paraná e no estado de São Paulo, incluindo a capital.

Os estados em que houve vítimas são:

  • Paraná
  • Amapá
  • Maranhão
  • Minas Gerais
  • São Paulo
  • Bahia

Serviço de investimento em bitcoins

Quinhentas vítimas já foram identificadas, mas, conforme a Polícia Civil, o número pode chegar a cinco mil.

De acordo com a Polícia Civil, o grupo mantinha a empresa que oferecia serviço de investimento em bitcoins. Os suspeitos ficavam com o dinheiro e não devolviam nada às vítimas.

A quadrilha transformou o esquema em um golpe da pirâmide, segundo delegado Emmanuel David, da Delegacia de Estelionato de Curitiba. O delegado explicou que apenas a associação criminosa ganhava dinheiro.

Policiais civis cumprem mandados em Curitiba e Região, entre outras cidades — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Policiais civis cumprem mandados em Curitiba e Região, entre outras cidades — Foto: Polícia Civil/Divulgação

G1PR



COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.