Entregadores de aplicativos decidiram paralisar por um dia, nesta quarta-feira, 1º de julho. Sob o comando de aplicativos, um setor liderado no Brasil por quatro grandes empresas: Uber Eats, Ifood, Loggi e Rappi, são em sua maioria “pejotizados”. Eles também estão chamando a população para um boicote às empresas, pois entendem que elas ampliam seus lucros enquanto a categoria vê sua renda ficar cada vez menor, em um ambiente de trabalho de maior exposição a riscos pela pandemia e de crescimento no número de acidentes.

Motoboys e entregadores de aplicativos desde o início do isolamento social são considerados prestadores de serviço essencial. Mas, apesar do aumento considerável de trabalho, a Rede de Estudos e Monitoramento da Reforma Trabalhista (Remir Trabalho) apontou em pesquisa que a renda desses trabalhadores não aumentou com o crescimento da demanda. Pelo contrário. Segundo o trabalho que foi realizado entre os dias 13 e 20 de abril em 26 cidades, essa categoria passou a ganhar menos.

Se por um lado as empresas questionam a metodologia do estudo e dizem que houve um aumento de trabalhadores conveniados em suas bases, lideranças do movimento apontam que, na realidade, o que existe é exploração.

“Os aplicativos não estão pagando a taxa que a gente merece. Eles passaram aumento para todos os restaurantes, mas não passaram para nós”, diz um entregador que pediu para não ser identificado pois a retaliação com o desligamento das plataformas “a quem põe a cara é na hora”.

Sem aviso prévio e direito de defesa

Segundo os organizadores do primeiro protesto que aconteceu em abril na Avenida Paulista, em São Paulo, entregadores têm sido desligados, muitas vezes, sem aviso prévio, nem direito de defesa. Robson Silva é um deles. Hoje ele trabalha para apenas um aplicativo pois foi excluído do Rappi e do Ifood no mesmo dia.

“E não adianta ligar ou ir na sede da empresa. Eles não querem ouvir a gente”, fala. Robson participa da organização do movimento e tem publicando vídeos nas redes sociais convocando colegas para a paralisação de quarta-feira.

Existe ainda o caso de trabalhadores que foram excluídos após acidentes durante uma entrega. Caso, de Thiago de Jesus Dias que morreu enquanto realizava uma entrega para a Rappi. Mesmo avisando a empresa que estava passando mal ouviu como resposta: “Então você não vai conseguir fazer mais entregas?”. Thiago, segundo seus familiares trabalhava cerca de 12 horas por dia para o aplicativo e morreu na calçada de AVC.

Segundo estatísticas do Serviço de Monitoramento de Trânsito de São Paulo (Infosiga), entre março e abril, o número de óbitos relacionados aos acidentes de moto cresceu 47,3% em relação ao mesmo período no ano passado.

Sem números mais precisos para o Brasil, Edgar da Silva, presidente da Associação dos Motofretistas de Aplicativos e Autônomos do Brasil. diz que somente a capital paulista tem entre 50 mil a 70 mil entregadores.

Não somos números

Integrante do grupo Entregadores Antifascistas, Paulo Lima apoia a paralisação e diz que somente ela e o possível boicote aos

aplicativos podem dar um recado claro. “Queremos mostrar que as empresas dependem de nós, trabalhadores. Vamos provar para eles que sem nós eles não ganham dinheiro, que não somos apenas números”, fala.

Mineiro é outro motoboy da “linha de frente” da paralisação que também pediu para que seu nome verdadeiro não fosse identificado para evitar bloqueios das plataformas. Ele relata que há três anos atrás deixou um emprego formal para trabalhar com os aplicativos, ganhando R$ 6 mil “por mês facilmente”.

Nos últimos meses, ressalta que sua renda diminui cada vez mais. “Hoje, para conseguir ganhar R$ 2 mil livres preciso trabalhar mais de 12 horas, todos os dias, sem folga”, desabafa.

O movimento quer além do aumento dos valores mínimos para as chamadas corridas uma solução para que dizem ser exclusões, bloqueios, sem maiores satisfações aos trabalhadores. “Se você bota a cara pra bater, ou vai em uma manifestação, os aplicativos te bloqueiam. Se você reclamar muito no site, também te bloqueiam. Não querem que a gente tenha voz”, fala Mineiro.

Segundo os entregadores, as plataformas não são transparentes e nem lhes informam sobre eventuais mudanças de tarifas e serviços. Outra queixa é a falta do fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para que o trabalho seja exercido com segurança no meio da pandemia.

Movimento veio para ficar

Para Paulo Lima, o movimento dos entregadores veio para ficar. “Quando esses aplicativos chegaram aqui, venderam uma mentira para nós. A mentira era de que somos empreendedores, e nós acreditamos. As empresas não querem lidar com direitos: rescisão, férias, 13º salário”. Para o motoboy, agora os entregadores estão começando a se ver como trabalhadores.

Se a onda de insatisfação com os aplicativos de tele-entrega começou a apresentar sua primeira reação em São Paulo, a mobilização já começa contagiar até capitais de outros países da América Latina. Em dezenas de grupos de WhatsApp, trabalhadores estão compartilhando depoimentos de entregadores que devem aderir a paralisação na Argentina, no Uruguai e no Paraguai.

extraclasse

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.