Hoje é Dia da vacina BCG: E essa marquinha aqui no meu braço?

31
Crédito: Gabriel Inamine/PMSBC

É bastante provável que você já tenha reparado em uma pequena cicatriz que a maioria das pessoas tem no braço direito. Essa cicatriz é a prova que ao nascer, ou em algum outro momento, você recebeu uma dose da vacina BCG.

A BCG é indicada para prevenir formas graves da tuberculose, atualmente o esquema de vacinação corresponde à dose única o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas após o nascimento, ainda na maternidade. Se após seis meses não houver cicatriz, a criança deve ser revacinada apenas uma vez, mesmo que não apresente cicatriz novamente.

Essa marca é proveniente de um processo inflamatório que evolui da seguinte forma:

  • após a administração, de 3 a 4 semanas, surge um nódulo (caroço) no local;
  • entre 4 a 5 semanas, o nódulo evolui para uma pústula (ferida com pus);
  • em seguida, evolui para uma úlcera (ferida aberta) de 4 a 10 mm de diâmetro;
  • e, entre 6 a 12 semanas, finalmente, forma-se uma crosta (ferida com casca em processo de cicatrização).

Não é recomendado o uso de curativos, medicamentos e/ou compressas. O único cuidado que se deve ter é manter o local limpo. É assim que a vacina BCG deixa essa marquinha no seu braço!

Escrito por: Laura Ferraz dos Santos, Enfermeira e Teleconsultora do TelessaúdeRS/UFRGS, especializada em Saúde da Família na modalidade residência multiprofissional pela UNIJUI, graduada em Enfermagem pela UNISC.

Ilustração de Carolyne Cabral, Equipe de Comunicação do TelessaúdeRS/UFRGS

Revisão: Natan Katz, Médico de Família e Comunidade e Gerente de Regulação e Teleconsultoria do TelessaúdeRS/UFRGS, e Lígia Burigo, Médica de Família e Comunidade e Teleconsultora do TelessaúdeRS/UFRGS

Referências

1- BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de normas e procedimentos para vacinação. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

2- BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.