Tarifas de pedágio mais baratas começam a valer em praças da Rodonorte; veja valores

230
Tarifas cobradas nas praças de pedágio da Rodonorte são reduzidas a partir de sábado (27) — Foto: Reprodução/RPC

Novos preços entram em vigor às 0h deste sábado (27); empresa, investigada pela Operação Integração, fechou acordo de leniência com o Ministério Público.

As tarifas de pedágio mais baratasem praças da concessionária CCR Rodonorte no Paraná entram em vigor às 0h deste sábado (27). A redução nos preços foi definida por um acordo de leniência firmado entre a empresa e o Ministério PúblicoFederal (MPF).

A Rodonorte administra 487 quilômetros de rodovias no estado. Com o acordo, os valores tiveram redução de 30%. Os preços devem valer por pelo menos um ano.

Confira, abaixo, os preços cobrados a partir deste sábado

Carros:

  • Ortigueira – BR-376 – R$ 8,10
  • Imbaú – BR-376 – R$ 8,10
  • Tibagi – BR-376 – R$ 8,10
  • Jaguariaíva – PR-151 – R$ 5,50
  • Carambeí – PR-151 – R$ 7,20
  • Witmarsum – BR-376 – R$ 8,70
  • São Luiz do Purunã – BR-277 – R$ 6,10

Caminhão:

  • São Luiz do Purunã – BR-277 – R$ 11,60
  • Witmarsum – BR-376 – R$ 13,80
  • Carambeí – PR-151 – R$ 12,40
  • Jaguariaíva – PR-151 – R$ 9,20
  • Tibagi – BR-376 – R$ 13,20
  • Imbaú – BR-376 – R$ 13,20
  • Ortigueira – BR-376- R$ 13,20

Ônibus com dois eixos:

  • São Luiz do Purunã – BR-277 – R$ 12,20
  • Witmarsum – BR-376 – R$ 17,40
  • Carambeí – PR-151 – R$ 14,40
  • Jaguariaíva – PR-151 – R$ 11
  • Tibagi – BR-376 – R$ 16,20
  • Imbaú – BR-376 – R$ 16,20
  • Ortigueira – BR-376- R$ 16,20

Moto:

  • São Luiz do Purunã – BR-277 – R$3,10
  • Witmarsum – BR-376 – R$ 4,30
  • Carambeí – PR-151 – R$ 3,60
  • Jaguariaíva – PR-151 – R$ 2,80
  • Tibagi – BR-376 – R$ 4,10
  • Imbaú – BR-376 – R$ 4,10
  • Ortigueira – BR-376- R$ 4,10

Acordo

O acordo de leniência foi fechado pela Rodonorte com a força-tarefa da Operação Lava Jato no começo do mês de março. A concessionária é investigada por participação em um esquema de pagamentos de propina em obras de duplicação e contornos em rodovias federais pedagiadas no estado.

Segundo o acordo, a empresa se comprometeu a pagar R$ 750 milhões até o fim da concessão das rodovias que detém no Paraná, que termina em 2021. Deste valor total, R$ 35 milhões são referentes a multa prevista na Lei de Improbidade Administrativa e R$ 350 milhões devem ser usados para a redução de 30% da tarifa.

Outros R$ 365 milhões, conforme o acordo, devem ser pagos para executar parte das obras nas rodovias concedidas à concessionária, segundo o plano de exploração original dos contratos.

A Rodonorte reconheceu pagamento de propinas para que fossem alterados contratos desde o ano 2000, e reconheceu que errou ao não adotar políticas adequadas de transparência e gestão.

Por nota, a empresa pediu desculpas aos paranaenses e disse que fará ajustes nos trabalhos de governança e transparência da empresa para impedir que falhas do passado não se repitam.

Operação Integração – Rodonorte

Segundo o apurado pela Operação Integração, o contrato original da Rodonorte no Paraná previa a realização de obras em 345 quilômetros de rodovias federais. A empresa ficou responsável pela construção de contornos e duplicações.

Por conta de aditivos assinados anos depois, quilômetros de obras foram retiradas do contrato e deixaram de ser obrigação da empresa, conforme o Ministério Público.

Em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, segundo o MPF, uma obra que tinha como objetivo tirar o trânsito pesado das BRs 373 e 376 de dentro da cidade “desapareceu” das obrigações da Rodonorte.

Ainda conforme o apurado pela Operação Integração, outros aditivos parecidos com o caso da Rodonorte foram firmados com todas as concessionárias que fazem parte do Anel de Integração. As empresas, por sua vez, se comprometeram a reduzir pela metade as tarifas cobradas nas praças de pedágio.

G1PR



COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.