O secretário estadual de Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, reuniu-se em Foz do Iguaçu nesta segunda-feira (15) com o comandante da 5ª Divisão do Exército, general Carlos José Russo Assumpção Penteado, e demais representantes de órgãos de segurança estaduais e federais, para discutir e traçar estratégias da Operação Fronteira Sul – Ágata 21.

O Paraná integra a operação encabeçada pela 5ª Divisão do Exército para combater e reprimir crimes nas fronteiras. Ela foi desencadeada na sexta-feira (12). Estão sendo feitos bloqueios nas rodovias, patrulhamento fluvial, e abordagens e fiscalizações nas principais vias de acesso ao Estado pela região fronteiriça que, dentre as primeiras ações, resultou no prejuízo de cerca de R$ 15 mil ao crime organizado.

De acordo com Marinho, a pasta estadual da Segurança Pública está o aproveitando a operação para outras ações de interesse das polícias Militar e Civil nesta área. “Queremos combater, principalmente, o narcotráfico, o contrabando, o descaminho, o tráfico de armas, homicídios, furtos e roubos, bem como crimes ambientais. Acima de tudo, a operação fortalece a presença do Estado na região e traz segurança à população paranaense”, afirmou.

Nos primeiros dias de operação, a atuação das equipes resultou na apreensão de mil maços de cigarros contrabandeados, 80 gramas de maconha e cerca de R$ 10 mil sem procedência legal. Foram feitos 162 postos de bloqueio e controle de estradas e dois postos de bloqueio e controle de vias urbanas. O trabalho direto das equipes pela região fronteiriça resultou em 72 ações de patrulhamento motorizado, 14 patrulhamentos a pé e quatro ações de patrulhamento fluvial.

Estão integrados nesta ação o Departamento de Inteligência do Paraná (DIEP); a Polícia Civil, com cinco subdivisões e o Grupamento de Operações Aéreas (GOA-PCPR); a Polícia Militar (14º BPM, 19º BPM, 21º BPM, 25º BPM e 3ª CIPM); o Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFRON); o Batalhão de Polícia Ambiental – Força Verde (BPAMB-FV); o Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV); a Polícia Científica; o Departamento Penitenciário (Depen); a Polícia Rodoviária Federal (PRF); e o Exército Brasileiro, por meio da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada.

PROGRAMA – O Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF) articula ações conjuntas para reprimir o crime. As principais atividades executadas nesta operação são o patrulhamento fluvial e terrestre, a distribuição das equipes no cumprimento de mandados de busca e apreensão, a interdição de atracadouros clandestinos, fiscalização das rodovias federais e encaminhamento de suspeitos em flagrante delito. O Batalhão de Polícia de Fronteira e o Batalhão de Polícia Ambiental – Força Verde colaboram com a ação.

A operação acontece em toda a região fronteiriça que vai de Querência do Norte, no Noroeste, até os limites de Barracão, no Sudoeste, abrangendo toda faixa de fronteira com o Paraguai e a Argentina, com pontos de bloqueio nas principais vias de acesso como a BR-163 (fronteira com a Argentina), a BR-277 (fronteira com o Paraguai), a BR-163 e a BR-487 (divisa com o estado do Mato Grosso do Sul), e nos portos de Santa Helena (região fluvial interligada com o Paraguai) e Querência do Norte (região da balsa que tem conexão com Naviraí).

PARTICIPANTES – Participaram da reunião na segunda-feira o diretor-geral da Polícia Científica, Luiz Rodrigo Grochocki; o diretor da PEPG, Luiz Francisco da Silveira; o comandante do BPFron, major André Cristiano Dorecki; o comandante da 5ª CIA do BPAmb de Foz do Iguaçu, capitão César Sebastião da Silva; o diretor da Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu, Marcos Aparecido Marques; o superintendente da Polícia Federal no Paraná, Omar Gabriel Haj Mussi; o superintendente da Polícia Rodoviária Federal, Guido Marcelo Mayol; o chefe de Engenharia da Secretaria da Segurança Pública, major Ivan Ricardo Fernandes; e o delegado da Alfândega da Receita Federal de Foz do Iguaçu, Paulo Sérgio Cordeiro Bini.

AEN

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.